Pensamento

A capacidade que temos de pensar não está dissociada das relações que o nosso corpo tece com os ambientes que frequentamos, que moramos, que lemos, que comemos. O mais elevado estado de espírito é fruto de uma vivência nos ambientes certos – pensar nunca é algo passivo, mas, ao contrário, é uma potência da vida que envolve uma atividade do nosso próprio corpo, de uma fuga dos ambientes errados. Um pensador é esmagado quando se deixa levar pela afobação daqueles que não costumam pensar, quando é envenenado pelo império da insensatez que assola os homens. Daí a necessidade de vivermos nas regiões mais profundas de nós mesmos, ou seja, passamos a pensar quando mergulhamos numa natureza que já pensa em nós. Por ser distinto da banalidade, do senso comum, é inegável que há uma doce loucura no pensamento, ao ponto que podemos dizer que a força de uma ideia – e o respeito que ela exige de nós – está em alguma loucura que nos faz viver. O pensador e a sua loucura: eis os companheiros inseparáveis, que não se confundem, de nenhum modo, com a opinião. O pensamento nos liberta da mesmice e da covardia, do gosto amargo da racionalidade, da consciência que quer prever tudo. Pensar exige coragem para dizer as coisas que não se ousa dizer, para dizer de um jeito que habitualmente a sociedade não deseja saber. E o nosso perigo é esse: deixamos de pensar quando somos engolidos pelo mais terrível dispositivo de antipensamento que serve para distrair as massas – a proliferação da besteira.

Comentários

Augusto F. disse…
Senhor professor: Foi com enorme prazer que tomei conhecimento do seu artigo e do seu endereço na Revista Filosofia, da Escala.
Afinal um professor acessível, alguem para conversar, trocar idéias, dirimir dúvidas, sugerir leituras.
Já estive no endereço da Escola mas
não vi nenhum evento de que possa participar à distância.Gostaria de
participar e aumentar meu nível de
conhecimento em todos os autores citados. Tenho lidos muitos desses
autores (livros, artigos)mas me falta maior intimidade e facilidade e retenção de aprendizagem.
Grande abraço.
Augusto?MVassi
brilhante etsa crônica Amauri aliar pensamento e loucura saindo da massificação haja coragem para seguir pensando , abraços de andarilha
Amaureks disse…
Caro Augusto, no link http://escolanomade.org/escolanomade/index.php?option=com_content&view=category&id=62&Itemid=120 é possível ouvir algumas aulas realizadas pela Escola Nômade. Há também transcrições de aulas lá no site. Seja bem-vindo e bom proveito!
Abraços
Amauri
Augusto F. disse…
Sr. Professor:
Em 'Dos compassivos', se lê:
Assim me falou um dia o Diabo: 'Também Deus tem seu inferno: é seu amor pelo homem'. E mais recentemente eu o ouvi dizer estas palavras:'Deus está morto; de sua compaixão pelo homem Deus morreu'.
Estranhas considerações, para mim, saindo da pena do escritor. Como lhe disse acima, algumas coisas não entendo:Que Deus e que Diabo são esses???Que isto quer dizer?
Onde ler alguma coisa que me elucide isso???
Grande abraço.
Augusto